Tecnisa apresenta bairro planejado na zona oeste

Tecnisa apresenta bairro planejado na zona oeste de MAGALI CONSULTORIA IMOBILIÁRIA

Por: MAGALI CONSULTORIA IMOBILIÁRIA  01/04/2012
Palavras-chave: Imóveis, Venda De Imóveis, Imobiliária

Publicado empor

Um terreno de 250 mil m2 dará origem a um novo bairro na zona oeste de São Paulo. A Tecnisa anunciou o lançamento do empreendimento Jardim das Perdizes. Localizado na avenida Nicolas Boer, esquina com a avenida Marquês de São Vicente, o projeto terá cerca de 30 torres, entre prédios corporativos e residenciais. O VGV (Valor Geral de Vendas) está estimado em torno de R$ 4 bilhões.
As obras de infraestrutura estão em execução e incluem uma praça de 50 mil m2, 14 ruas e duas avenidas com calçadas ampliadas.

São Paulo – Deve ser lançado em 2012 o maior atualmente em desenvolvimento na cidade de São Paulo. As incorporadoras Tecnisa e PDG planejam erguer um bairro inteiramente novo em um megaterreno baldio na Barra Funda, na zona oeste da cidade. A intenção das empresas é rebatizar a região com o nome de Jardim das Perdizes. Serão construídos até 32 edifícios no local, sendo que mais de 80% deles vão abrigar apartamentos residenciais. O valor total de vendas é estimado em 4 bilhões de reais.

O que torna o Jardim das Perdizes imbatível em termos de tamanho são as dimensões do terreno. As 32 torres serão erguidas em uma área 250.000 metros quadrados, ou o equivalente ao tamanho de 25 quarteirões grandes. Cerca de 45% do terreno foi doado à Prefeitura de São Paulo para a construção de vias, áreas verdes e outros equipamentos públicos. Na meio do terreno, será construída uma praça de 50.000 metros quadrados.

Após negociações com a prefeitura, a Tecnisa decidiu não erguer um condomínio fechado no local e optar por um bairro mais integrado à cidade. Toda a área está sendo loteada em quarteirões de 3.000 a 10.000 metros quadrados. Serão construídas 16 vias para dividir esses quarteirões e garantir o acesso dos demais moradores da cidade.

O efeito colateral de optar por um loteamento aberto é a demora no início da construção dos edifícios. O terreno onde será erguido o Jardim das Perdizes foi comprado em 2007 da Telefônica por 133 milhões de reais, mas, após quatro anos, o empreendimento ainda não pôde ser lançado. “Qualquer projeto que inclua parcelamento do solo demora em ser aprovado porque exige complexas negociações com órgãos ambientais e urbanísticos da cidade”, diz Max Rezende Filho, da consultoria Solamax, especializada em terrenos. Tanto isso é verdade que há décadas nenhum grande loteamento é desenvolvido na região central de São Paulo.

Para Fabio Villas Bôas, diretor-executivo-técnico da Tecnisa, incorporadora que controla 75% do empreendimento, a opção pelo loteamento compensa mesmo com a demora porque o projeto pode mudar a vocação do bairro para o segmento residencial e induzir o desenvolvimento de toda a região. Ele explica que, para construir o empreendimento, a incorporadora terá de pagar milhões de reais à prefeitura a título de outorga onerosa ou certificados de potencial adicional de construção (CEPACs).

Informações: www.tecnisa.com.br

Palavras-chave: CONSULTORIA DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS, Imobiliária, Imóveis, venda de apartamentos, Venda De Imóveis,