EMT Estimulaçao Magnetica no tratamento da depressao vascular

EMT Estimulaçao Magnetica no tratamento da depressao vascular de Clinica Brasileira de Estimulacao Magnetica

Por: Clinica Brasileira de Estimulacao Magnetica  25/02/2011
Palavras-chave: Depressao, Tratamento De Depressão, Eletromagnetica

Eficácia antidepressiva e efeitos cognitivos da estimulação magnética transcraniana repetitiva na depressão vascular: um estudo aberto.


INTRODUÇÃO: Os efeitos benéficos da estimulação magnética transcraniana repetitiva (rTMS) foram demonstrados por muitos estudos controlados na depressão maior. Além disso, essa promissora ferramenta terapêutica não-invasiva parece ser mais bem tolerada na depressão que a terapia eletroconvulsiva. A depressão vascular é um subtipo de depressão tardia, associada com a doença cerebrovascular e possui uma resposta mais pobre ao tratamento com antidepressivos. Nós empregamos a rTMS sobre o córtex prefrontal esquerdo em 11 pacientes com depressão vascular resistente tardia. A finalidade preliminar deste estudo aberto de 2 semanas era examinar a eficácia antidepressiva da rTMS na depressão vascular. O alvo secundário era avaliar efeitos cognitivos da rTMS em nossa amostra.

MÉTODOS: O status clínico, como a escala de avaliação de depressão de Hamilton (HDRS), e os efeitos cognitivos, como avaliados por testes neuropsicológicos, foram avaliados na linha de base e após duas semanas de rTMS. Para se obter um índice de atrofia prefrontal foram executados medidas no córtex motor e no córtex prefrontal.


RESULTADOS: Cinco de 11 pacientes com depressão vascular tardia resistente responderam ao tratamento. Mostraram uma melhoria clínica significativa em contagens de HDRS, com uma diminuição de 11, 4 pontos (p<0.01). A resposta antidepressiva esteve correlacionada ao grau relativo de atrofia prefrontal (p = 0.05). Após duas semanas, a fluência verbal e a memória visuo espacial melhoraram. Nenhum desempenho cognitivo deteriorou-se à exceção da memória verbal, porque a recordação atrasada diminuiu significativamente no grupo dos responsivos.


CONCLUSÕES: Nossas observações preliminares alertam para executar um estudo controlado subseqüente para examinar se a rTMS possa se constituir numa alternativa à terapia eletroconvulsiva.

 

Fabre I, Galinowski A, Oppenheim C, Gallarda T, Meder JF, De Montigny C, Olie JP, Poirier MF.
Int J Geriatr Psychiatry. 2004 Sep;19(9):833-42


extraido de:

Palavras-chave: Depressao, Eletromagnetica, EMTr, Estimulacao Magnetica Transcraniana, Tratamento De Depressão

Contatar Clinica Brasileira de Estimulacao Magnetica

Email

Imprimir esta Página