Trabalhador que não contribuiu também poderá se aposentar, diz Previdência Social

Por: Marcos Cesar Agostinho  01/04/2012
Palavras-chave: Advogado, Direito Previdenciário, advocacia de campinas

O trabalhador que teve vínculo empregatício, mas não recolheu as contribuições mensais à Previdência Social, deve ter o seu tempo de serviço reconhecido normalmente, para efeito de aposentadoria, segundo entendimento do presidente do Conselho de Recursos da Previdência Social (CRPS), Manuel Rodrigues. O presidente disse que para o reconhecimento do direito basta que o empregado apresente, quando for se aposentar, a Carteira Profissional, com a anotação do contrato de trabalho, com a data de entrada e de saída do emprego. Outra prova importante que justifica o tempo de serviço do trabalhador para ser beneficiário da Previdência Social é a apresentação da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) que todo ano os empregadores têm que encaminhar ao Ministério do Trabalho e Emprego. Como a Rais só passou a existir a partir de 1976 e os dados são informados pelas Delegacias Regionais do Trabalho e inseridos no Cadastro Nacional de Informações Sociais, quem trabalhou antes disso só terá como prova a Carteira Profissional. Em reunião na semana passada no CNPS, Manuel Dantas destacou que "há uma cultura do trabalhador brasileiro de recorrer à Justiça quando tem qualquer problema com o Instituto Nacional do Seguro Social". Ele disse que a Previdência Social é o foro apropriado para resolver as questões com o INSS. Segundo ele, recorrer ao Judiciário envolve demora nas soluções e alto custo para a União. De todos os precatórios pagos anualmente pelo governo, 85% envolvem ganhos de causa dos trabalhadores contra a Previdência Social. O presidente do CNPS disse que vai lutar para melhorar a estrutura da área de recursos da Previdência, para agilizar a solução para o estoque de recursos que estão em tramitação. "Os trabalhadores pensam logo de saída em ir para a Justiça, porque não estão bem informados sobre as possibilidades de solução, no âmbito administrativo da Previdência Social". Dantas disse que conta com o apoio do ministro Garibaldi Alves Filho para ampliar a estrutura do conselho de recursos. Ele lembrou que existem no país mais de 6 milhões de empregados domésticas que não têm carteira assinada. "Quando chegar a idade de aposentadoria, não terão como provar que trabalharam". Por isso chama a atenção para a importância de as donas de casa assinarem as carteiras de seus empregados domésticas, para que no futuro tenham proteção previdenciária.

Fonte: Lourenço Canuto Da Agência Brasil, em Brasília.

Palavras-chave: advocacia de campinas, Advogado, Advogado de Indaiatuba, Aposentadoria em Campinas, Aposentaria Especial em Campinas, Direito Previdenciário,

Outras notícias e atualizações da Marcos Cesar Agostinho

29/03/2012

STJ - Presunção de violência contra menor de 14 anos em estupro é relativa

ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA EM CAMPINAS E REGIÃO



15/03/2012

Aprovada atualização da lei que regulamenta profissão de técnico em radiologia.

MUDANÇA DE LEGISLAÇÃO PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE


07/03/2012

Eletricista recebe insalubridade por exposição intermitente a área de risco

Reclamação trabalhista para obtenção de adicional de insalubridade


03/03/2012

EX-FUNCIONÁRIO DE FUNERÁRIA NÃO CONQUISTA ADICIONAL DE INSALUBRIDADE EM GRAU MÁXIMO

 Além da função de motorista, reclamante trabalhava na preparação e embelezamento de cadáveres e na ornamentação de urnas funerárias, recebendo o adicional médio.